USP Não Aceita Matrículas do SISU de Alunos de Colégios Militares









A decisão da Universidade de São Paulo (USP) de cancelar o ingresso de estudantes de escolas militares, aprovados nos vestibulares pelo Sistema Único de Seleção (Sisu), mobilizou o comando do Exército e o Ministério da Educação na sexta-feira à tarde (15/2).

A corporação definiu como uma medida de protesto da universidade ao governo de Jair Bolsonaro (PSL). Informações do Estadão.

O vice-reitor da universidade argumentou que as 12 escolas administradas pelo exército não se encaixariam no sistema de cotas, uma vez que são apoiadas por contribuições e pagamentos mensais pagos pelos pais dos alunos.

Mais sobre o tema

USP tem 20 cursos sem graduação na SISU

As faculdades militares têm as mais altas classificações no distrito federal

usp cancela sisu
usp cancela sisu

Em uma reunião no campus que durou até o meio dia de sexta-feira, um representante do Comando Sudeste, com sede em São Paulo, tentou persuadir funcionários da universidade a reverter essa decisão, que afeta mais de 20 estudantes em contas do exército, ou dez, segundo a USP.

Ele saiu de lá apenas com a promessa de que o caso seria considerado sem prazo, disse o estado militar envolvido no caso.

O ato foi interpretado pela corporação como um “ataque político” ao governo do presidente Jair Bolsonaro.

O comando militar do sudeste chamou o governador de São Paulo, João Doria, porque a universidade é apoiada pelo estado. Ao mesmo tempo, os militares ligaram no Brasil.

USP cancela SISU

A operação foi realizada à noite na capital federal pelos militares. O ministro da Educação, Ricardo Velez Rodriguez, foi demitido e veio intervir em favor dos estudantes.

Fato registrado na quinta-feira (14), a universidade enviou um e-mail aos alunos para anunciar o cancelamento do cadastro daqueles que são aprovados na competição para acesso a uma instituição de ensino por meio de cotas de escolas públicas.

Em um relatório recebido do relatório, a universidade informa um estudante de medicina aprovado, que cancelou sua matrícula para não “contornar” o “objetivo da política de inclusão”.

O texto foi preparado pela Comissão de Acompanhamento Operacional do processo de admissão. O decano da graduação, Edmund Chad Barakat, assinou a mensagem.

Como se viu, a liderança da Universidade de São Paulo afirmou que o caso dos alunos ainda está em fase de avaliação. Surpreendidos, os estudantes estão preocupados que o tempo de testes na universidade seja aumentado em uma semana, o que os impedirá de se inscrever na segunda-feira, 18 anos.

Alguns alunos contataram dicas da faculdade para reclamar que pararam de frequentar outras universidades onde foram aprovados.






Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.